“Ide e buscai a verdade, o caminho, a vida e a luz”. (Espiritualidade amiga, FELLUZ/2004)
 
 

Médiuns ajudando à Polícia?

Washington Fernandes

"Nos Estados Unidos e na Europa, os Agentes Policiais consultam os médiuns para auxiliá-los em determinadas investigações criminais.

No 4º Encontro dos Delegados Espíritas, ocorrido em 20/11/01, o tema do evento foi "A Mediunidade Elucidando Crimes". A UDESP (União dos Delegados Espíritas de São Paulo) trouxe a São Paulo o Delegado dr. Antônio Camilo, da cidade de Pouso Alegre/MG, para palestrar e relatar como foi que ele tinha conseguido esclarecer um famoso crime da cidade, com base na mediunidade. Este evento atraiu interesse da mídia não-espírita, rádio, jornais e TV.

A UDESP fez uma reunião com um Delegado do DEIC (Departamento de Investigações Criminais do Estado), do DHPP (Setor de Homicídios), simpatizante do Espiritismo, para consultar sobre a possibilidade de que a Polícia pudesse recorrer a médiuns em casos em que a atuação policial não tivesse mais alternativas para prosseguir nas investigações. O Delegado aceitou que os médiuns possam colaborar com à Polícia, em casos em que eles não tenham mais nada a fazer.

No Brasil não existe um trabalho mediúnico neste sentido. A tradição na formação dos médiuns, depois de vários anos de estudo, estudando os grandes cientistas do mundo, ocorre muito para a chamada prática da assistência fluídica (o passe).

Ficou muito claro em "O Livro dos Médiuns (1861)", que o dever do médium é trabalhar gratuitamente no bem, cristãmente, utilizando suas faculdades mediúnicas para ajudar as pessoas, gratuitamente, em qualquer circunstância, estando preparado para colaborar no que estiver ao seu alcance. Ajudar à Polícia também seria, sem dúvida alguma, uma forma de praticar a caridade.

Em lugar algum foi restringida sua atuação somente para esta ou aquela prática, o que seria um contra-senso à sua realidade; O próprio Allan Kardec se utilizava dos médiuns em todas as circunstâncias, inclusive literárias, e também estando descrito em "O Livro dos Médiuns" que ele recorreu a um médium vidente quando foi assistir à ópera Oberon (LM, Cap. XIV, 168), e a eles recorria em qualquer circunstância. Se Allan Kardec vivesse hoje no Brasil, possivelmente ele fosse proibido de fazer isso, sob a alegação de que os médiuns somente devem trabalhar dando passe e estão proibidos de fazer outra coisa !!!.

Será que os Centros Espíritas não estão subdimensionando a prática e vivência da mediunidade?

Vemos com simpatia a possibilidade de ampliar a prática mediúnica, calculando que em médio prazo haveria uma revolução na atuação mediúnica nos Centros Espíritas, que se coadunaria mais com o Terceiro Milênio, onde o Espiritismo está chamado a prestar um grande contributo para a Regeneração planetária e a mediunidade será uma realidade natural da vida. Os estudos para este trabalho médiuns/polícia estão em andamento, e contatos estão sendo feitos com os Centros Espíritas para tentar viabilizar tudo.

Naturalmente, há preocupação de que os médiuns sejam preservados de qualquer contato com a situação criminosa e a intenção é de assegurar uma forma de trabalho de modo que a Polícia nunca venha a saber quem foram os médiuns atuantes nas informações espirituais.

Contatos também estão sendo realizados pela UDESP com médiuns e policiais americanos, objetivando trazê-los ao Brasil, para fazer palestra, dando testemunho deste trabalho.

Este é um passo para que, no futuro, a mediunidade conquiste inevitavelmente o respeito e o reconhecimento da Segurança Pública de São Paulo, do Governo e da sociedade."

E então, meus amigos e irmãos, internautas da felluz.org, o que pensar sobre isso?

Aguardem em breve um posiciomento da FELLUZ acerca do fato.

 

(<-- voltar)

[todas as notícias]